Renato Coêlho Aguiar: “Os reflexos da crise política na economia”

/, Destaques/Renato Coêlho Aguiar: “Os reflexos da crise política na economia”

Renato Coêlho Aguiar: “Os reflexos da crise política na economia”

Após escandalizar e indignar a sociedade brasileira com as revelações publicadas na imprensa na noite de quarta-feira, informando detalhes sobre a deleção de sócios e executivos da JBS, a economia do País é que passa a padecer pelo contexto de incertezas, que, rapidamente, vê-se traduzido por uma maior percepção de risco por parte dos agentes econômicos.

Esse entendimento, ontem mesmo, já se materializava, a partir da desvalorização das ADRs de empresas brasileiras negociadas no Exterior e, na abertura do mercado local, pela desvalorização das ações negociadas na bolsa de valores brasileira que, em razão da forte depreciação (a partir de 10%), interrompia o pregão, com base no mecanismo do circuit breaker, objetivando evitar quedas muito acentuadas, decorrentes de movimentos especulativos e/ou do “efeito manada”. Na mão inversa, o dólar operava com forte alta, ratificando o movimento de maior aversão a riscos.

Nesse contexto, a duração dessa nova crise política, ou seja, o esclarecimento dos fatos divulgados na mídia e seus desdobramentos, em relação à manutenção ou não do atual governo, serão decisivos para o recrudescimento ou não da tendência de recuperação da economia brasileira que vinha sendo apregoada, até momentos antes dessas novas revelações de corrupção.

A permanência dos atuais níveis da taxa de câmbio passará a pressionar a inflação, pelo canal dos custos, com ênfase para o preço dos combustíveis, minando o ciclo virtuoso do movimento de redução da taxa de juros, canal indutor do crédito, consumo e investimento no curto prazo, pré-requisitos para a retomada do crescimento e da geração de empregos, juntamente com as reformas estruturais da economia que se encontram em tramitação no Congresso Nacional, também afetadas pela provável paralisia legislativa que se instalará, caso não observemos um rápido desfecho para esse novo contexto de incertezas políticas.

Renato Coêlho Aguiar
renato.aguiar@riodouroconsultoria.com.br
Economista e membro da Diretoria do Ibef-CE

2017-05-23T13:18:04+00:00 maio 23rd, 2017|Categories: Artigos, Destaques|
X