Minha primeira empresa

Costumes, culturas, hábitos e crenças mudam  com o tempo. A História evidencia que a cada cinco décadas a humanidade passa por processos de mudança e respectiva evolução. Há exatos cinquenta anos, o astronauta americano Neil Armstrong ao pisar o solo da Lua vocalizou: Um pequeno passo para o homem, gigantesco salto para a humanidade.

De lá para cá quanta coisa mudou no Mundo e, em nosso “mundinho” na forma de enxergar o futuro, no estilo de vida, na busca constante por segurança e bem-estar,  nos compelindo a encontrar soluções para os desafios contemporâneos.

Nas últimas três décadas, muitos jovens da classe média brasileira aspiravam a ingressar, por meio de concurso, no serviço público de nível intermediário, visando à estabilidade econômico-financeira, plano de assistência médico-hospitalar, garantia de aposentadoria digna e até mesmo status social.

Entretanto, as oportunidades de empregos no ambiente público ou na iniciativa privada  rarearam e árduos desafios se impõem às novas gerações ante a avassaladora crise econômica que afeta, presentemente, as finanças de entes governamentais e privados.

Em decorrência, os jovens não estão mais olhando para empregabilidade no setor público ou em grandes empresas. Gradativamente, são levados a empreender e se preparar adequadamente para enfrentar esta nova realidade transformadora.

Estatísticas do portal do Empreendedor revelam que o  Ceará ganhou 44.574 Microempreendedores Individuais (MEIs) em um ano, representando incremento de 19,6% no primeiro semestre de 2019. O total de MEIs ascendeu de 227.162 para 271.736 em igual período do corrente ano.

Curiosamente, esta realidade se alinha com a percepção do jornalista e escritor americano Thomas Friedman. Em artigo para o jornal The New York Times, em 2000, defendeu a tese “de que todos os alunos do ensino médio e fundamental deveriam ser estimulados a criar suas próprias empresas”. Para ele, o desenvolvimento do pensamento analítico, do trabalho em conjunto e do exercício prático em sala de aula seriam o futuro dos jovens que lutam bravamente para se inserir no mercado de trabalho que se afigura complexo e volátil.

No mesmo diapasão, a pesquisadora Aline Dal Magro, diretora de Estratégias do Instituto Singularidades, ressalta que o mundo moderno busca por cidadãos que consigam resolver seus problemas por meio de atitudes inovadoras, colaborativas, interdependentes, mediante soluções construídas em grupo.

Sinaliza, ainda, que outra possibilidade pedagógica para se aproximar da cultura da inovação é o ensino hibrido que integra tecnologias digitais aos recursos tradicionais de sala de aula, onde a escola prioriza componentes curriculares das ciências, da tecnologia, da engenharia, das artes e da matemática, saberes indispensáveis a uma formação consistente.

Como exemplo de instituições que prestam efetiva ajuda para o desenvolvimento sustentável do empreendedorismo cearense, o Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (IBEF) vem realizando constantes ações com o objetivo de evidenciar a importância da Educação Financeira como instrumento fundamental para que pequenos e médios empreendedores prosperem. No raio de suas ações ministra palestras em empresas, presta consultoria financeira gratuita, divulga o tema em várias mídias, distribui folders didáticos e a Cartilha Educação Financeira Infantil, de autoria da Ibefiana Darla Lopes.

Na mesma linha de postura, merece destaque a louvável e bem-sucedida iniciativa do IV Startup Kids, em 25 de maio, no Shopping Iguatemi, onde crianças na faixa de 5 a 10 anos exercitaram suas habilidades na arte de empreender, de investir, de lidar com parceiros e de persuadir clientes. Um aflorar de talentos.

Por outro lado, e muito importante, é o reconhecido trabalho do SEBRAE-CE no desenvolvimento das melhores práticas de gestão, com cursos e oficinas de empreendedorismo. Não à toa, ressalte-se, o Ceará tem cerca de 272 mil inscritos no cadastro de microempreendedores. Entretanto, para esse público, pesquisas indicam que o maior desafio ainda se encontra na gestão financeira do negócio, sendo esse o foco utilizado pelo SEBRAE no direcionamento de suas ações.

A sociedade cearense está atenta às mudanças transformadoras, sempre na vanguarda, procura se adequar ao novo cenário para dar continuidade ao desenvolvimento socioeconômico que gradativamente vem conquistando.

 

WiltonDaher    
wd@wdaher.com.br
Diretor do IBEEF-CE

2019-08-12T18:20:54+00:00